Você quer produzir e-Learning ou EaD?

Pergunta recorrente: qual a diferença entre produzir e-Learning e produzir Ensino a Distância (EaD)? À parte das definições mais academicamente corretas, existe uma divisão que utilizo profissionalmente e que costuma explicar a questão de maneira satisfatória na hora de desenhar seu projeto de ensino.

Pensar “e-Learning” é pensar em “remédio” — você tem uma “dor de cabeça”; um procedimento que precisa ser assimilado, um conhecimento que precisa ser transmitido etc., e você utiliza um remédio específico: um e-learning, ou um módulo de conteúdo eletrônico que trate especificamente desta questão.

Pensar em “EaD” é pensar em “programa de saúde” — não só resolver “dores de cabeça” mas pensar em um sistema que facilite a saúde e que determinadas dores de cabeça possam ser evitadas para começo de conversa.

No ambiente corporativo é fácil identificar quem aborda treinamento com uma mentalidade de e-Learning (uma bala mágica para resolver um problema específico) e quem aborda as necessidades de treinamento com mentalidade de EaD, desenvolvendo programas, trilhas de aprendizado, sistemas de apoio etc.

Já para produtores de conteúdo independente — você que quer ter seu curso online — essa distinção se torna uma decisão de Marketing fundamental. Conteúdos disponibilizados como e-Learning podem ter mais ou menos valor agregado; de acordo com a “dor de cabeça” que ajudam a resolver; mas normalmente se restringem a uma venda individualizada. Já o conteúdo que é disponibilizado com a mentalidade de EaD — dentro de uma lógica de programa de treinamento e que possam agregar outras funções, como: comunidades e grupos de apoio, tutoria, coaching por Skype etc., são vendas mais “caras” mas com maior potencial de retenção, fidelização e desenvolvimento do cliente.

É importante ressaltar que a diferença entre os dois não significa somente “pendurar” menos ou mais coisas em um assunto mas, encarar o aprendizado como contínuo ou não. Existem situações, assuntos e momentos em que pensar e-Learning é mais do que suficiente. Em outros, pensar em uma lógica de EaD é necessário.

 

Site Eduk — um exemplo para dois modelos.

intelligente_20161031_exemplo

Site: http://www.eduk.com.br/

O site da Eduk é um portal de Ensino a Distância voltado para artesãos e criativos. Nele você encontra exemplos para os dois casos: você pode comprar um e-Learning específico (um determinado título) conforme seu interesse, por exemplo: Encadernação, Bonecos de Feltro, Doces para Festas etc. Outra possibilidade é assinar e ter acesso a uma determinada linha de aprendizagem: Estética, Gastronomia, Artesanato etc. E por fim, uma assinatura completa com o potencial de acessar todos os cursos que você conseguir fazer — e mais programas exclusivos, como conversas e entrevistas com especialistas.

Você não precisa copiar o modelo de negócios da Eduk para ter sucesso com cursos on-line (arrisco a dizer que nem deve, em muitos casos). A questão é saber o potencial do seu tema, e se pode ser desdobrado de outras formas que apenas um módulos de conteúdo eletrônico ou não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *