Quanto tempo um Designer Instrucional demora para desenhar um curso de 08 horas?

Dei de cara com a pergunta do título em um grupo de discussão sobre Design Instrucional — quanto tempo um Designer Instrucional demora para desenhar um curso de 08 horas? A pergunta vinha de uma profissional de Recursos Humanos que desejava estimar o tempo, e por consequência o investimento necessário para desenvolver um curso online. Esse tipo de questão mostra que, por mais que os treinamentos online sejam uma realidade há bastante tempo nas empresas brasileiras, os próprios responsáveis pela sua contratação ainda não têm muito claro como todo o processo de desenvolvimento de um curso funciona.

Você precisa estar por dentro do passo a passo de todos os serviços que contrata? É claro que não. Mas como Designer Instrucional, esse é o tipo de questão impossível de responder de bate pronto, pois dependem da consideração de uma série de fatores, que podem variar significativamente conforme a atuação prevista para o Designer Instrucional no processo.

1.  Diagnóstico

Em primeiro lugar: como foi determinado que o treinamento deve ter 08 horas? Essa é uma necessidade de carga horária da empresa? Está se fazendo um paralelo com algum treinamento presencial já existente e que é realizado pela equipe? Não é incomum, embora seja prejudicial na maior parte dos casos, que o cliente feche a carga horária do treinamento antes de contratar uma empresa desenvolvedora e, o que pode parecer um detalhe importante de briefing (a carga horária já definida), se transforma num nó de desenvolvimento — tendo que desenvolver um treinamento menor ou maior que o necessário para lidar com determinada questão de treinamento.

Uma reunião prévia com um bom DI, antes do desenvolvimento, para a realização de um Diagnóstico de Necessidades, pode reduzir gastos e estresses durante todo o projeto. Nessa reunião o DI irá identificar o que motivou a necessidade de treinamento (o problema a ser resolvido), as características básicas dos treinandos (de sua familiaridade com treinamentos online até a disponibilidade diária para treinamento) e fazer um desenho prévio do projeto — determinando carga horária, formato do treinamento, forma de avaliação de aprendizagem etc. Esse Plano de Curso irá servir como planta executiva do treinamento, estabelecendo todas as necessidades de desenvolvimento e as entregas necessárias.

2.  Conteúdo

Vamos assumir positivamente que nossa potencial cliente já tenha todo o diagnóstico feito, e que tenha certeza: será preciso desenvolver um curso de carga horária de 08 horas. Ainda assim, fica impossível prever o tempo do trabalho do DI sem algumas questões relacionadas a conteúdo. A primeira delas e a mais fundamental é: quem desenvolverá o conteúdo? O ideal, novamente, é que a figura do Conteudista (especialista) e do Designer Instrucional sejam realizadas por profissionais diferentes. E mesmo que isso não seja possível, é preciso realizar cada uma das atividades em etapas diferentes. Além disso, é preciso ter uma noção prévia do tipo de curso que deverá ser realizado, pois é muito diferente desenvolver conteúdo para um curso com 08 horas de narração/vídeo ou 08 horas de um jogo ou atividade interativa a ser realizada ao longo de diversos dias.

3.  Roteirização e StoryBoards

Infelizmente, em 99,9% das vezes em que um DI é questionado sobre o tempo necessário para desenhar um curso de 08 horas, o que as pessoas realmente querem saber é “quanto tempo você demora para fazer o PowerPoint de um treinamento de 08 horas?”.  Normalmente a fase de roteirização não é nem considerada (a maior parte dos profissionais de Design Instrucional sequer diferencia roteiro de StoryBoard, quanto mais o cliente), e todos os questionamentos relativos a Diagnóstico e Conteúdo sequer são levantados. E nessa fase ainda temos outros questionamentos; como: qual a função do Storyboard: orientar uma equipe de desenvolvimento ou servir de base para o próprio treinamento (como o PowerPoint de apoio para uma vídeo-aula ou base para uma ferramenta de autoria como articulate, por exemplo).

Não deixo de simpatizar com a questão de nosso potencial cliente: para planejar, precisamos de métricas confiáveis. Mas infelizmente, não é possível oferecê-las com uma questão tão incompleta. O que nossa potencial cliente está para descobrir — é esse é um dos principais pontos negativos do setor — é que, qualquer um que lhe ofereça uma resposta rápida a essa questão estará também lhe oferecendo uma solução pronta, um “fast food” do Ensino a Distância que, pode matar a fome do momento, mas que irá, inevitavelmente, falhar em resolver as questões fundamentais que causaram sua necessidade de treinamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *